jun 24

Autor: Kahn, James
Autor: Bloch, Robert
Autor: Russo, John
Tradutor: Paiva, Anabela
Tradutor: Magdiel, Lucas
Tradutor: Giannetti, Cecília
Editora: Darkside Books
Páginas: 800
1a Edição: 2014
Assunto: Literatura Internacional – Terror e Sobrenatural

Sinopse:
Entediados e à procura de diversão, um grupo de crianças da pequena cidade portuária de Astoria, chamado os Goonies – Bocão, Gordo, Dado, Mikey, Brand, Andy e Stef – envolvem-se em uma caça ao tesouro que pode salvar o bairro de ser demolido por empreiteiras para ser transformado em campo de golfe a mando do Country Club da cidade. Psicose, o clássico de Robert Bloch, foi publicado originalmente em 1959, livremente inspirado no caso do assassino de Winsconsin, Ed Gein. O protagonista Norman Bates, assim como Gein, era um assassino solitário que vivia em uma localidade rural isolada, teve uma mãe dominadora, construiu um santuário para ela em um quarto e se vestia com roupas femininas. Em Psicose, Bloch antecipou e prenunciou a explosão do fenômeno serial killer do final dos anos 1980 e começo dos 1990. Se hoje os zumbis estão em alta é porque, em 1968, George Romero e John Russo se reuniram para escrever o roteiro de A Noite dos Mortos – Vivos e mudar a história do cinema. O filme revolucionou o mito sobre sobre as criaturas que voltavam do além – as superstições vodus das velhas produções B deram lugar à epidemia de fome canibal nas ruas norte-americanas. Criaturas similares já haviam aparecido antes nas telonas, mas foi em ‘A Noite de Mortos – Vivos’ a primeira vez em que foram retratados como uma praga devoradora de carne humana. O próprio John Russo adaptou a história do filme neste romance. ‘A Noite dos Mortos – Vivos’ inclui ainda uma surpresa para os leitores – o texto integral da sequência do clássico, que nunca chegou a ser filmada, chamada de ‘A Volta dos Mortos – Vivos’. Depois de 45 anos, finalmente é publicado no Brasil o romance do filme que marcou gerações.

Fonte: Livraria Cultura

 

Escrito por marcia
Tags: , , , , , , ,


Deixe um comentário