abr 05

DESDE MONTAIGNE E DEPOIS DE MARKER
Autor: Corrigan, Timothy 
Tradutor: Borges, Luis Carlos
Editora: Papirus
Páginas: 224
1a Edição: 2015
Assunto: Artes e Fotografia – Cinema

Sinopse: 
‘Por que alguns tipos de documentário e formas não narrativas não considerados os mais interessantes, emocionantes e provocativos filmes produzidos nas últimas décadas? Obras de diretores como Ross McElwee (Bright Leaves), Agnès Varda (Os Catadores e Eu), Abbas Kiarostami (Close-up) e Ari Folman (Valsa com Balshir) têm chamado a atenção dos espectadores que, ao mesmo tempo, encontram dificuldades para categorizá-las. Às vezes descritos como documentários pessoais ou filmes-diário, esses ecléticos trabalhos são, na verdade, mais bem entendidos como variações cinematográficas do ensaio, conforme argumenta Timothy Corrigan nesse estimulante e indispensável livro. Desde Michel de Montaigne, os ensaios têm sido vistos como uma categoria literária mas, apesar de pioneiros como Chris Marker, ainda são raramente discutidos como uma tradição cinematográfica. Ao se aprofundar na longa relação entre literatura e cinema, bem como trazer novas interpretações e modelos teóricos’.

Fonte: Livraria Cultura

Escrito por marcia
Tags: , , ,

dez 28

DESDE MONTAIGNE E DEPOIS DE MARKER
Autor: Corrigan, Timothy 
Tradutor: Borges, Luis Carlos
Editora: Papirus
Páginas: 224
1a Edição: 2015
Assunto: Artes e Fotografias – Cinema

Sinopse: 
‘Por que alguns alguns tipos de documentário e formas não narrativas são considerados os mais interessantes, emocionantes e provocativos filmes produzidos nas últimas décadas? Obras de diretores como Ross McElwee (Bright Leaves), Agnès Varda (Os Catadores e Eu), Abbas Kiarostami (Close-up) e Ari Folman (Valsa com Bashir) têm chamado a atenção dos espectadores que, ao mesmo tempo, encontram dificuldades para categorizá-las. Às vezes, descritos como documentários pessoais ou filmes-diári0, esses ecléticos trabalhos são, na verdade, mais bem entendidos como variações cinematográficas do ensaio, conforme argumenta Timothy Corrigan nesse estimulante e indispensável livro. Desde Michel de Montaigne, os ensaios têm sido vistos como uma categoria literária mas, apesar de pioneiros como Chris Marker, ainda são raramente discutidos como uma tradição cinematográfica. Ao se aprofundar na longa relação entre literatura e cinema, bem como trazer novas interpretações e modelos teóricos.’

Fonte: Livraria Cultura

Escrito por marcia
Tags: , , ,

set 16

A Estética do FilmeAutor: Aumont, Jacques
Editora: Papirus
Páginas: 312
1a Edição: 1994
Assunto: Artes & Fotografia – Cinema

Sinopse:
Essa obra oferece um panorama completo da teoria e da estética do filme, apresentado à luz de seus desenvolvimentos mais recentes.

Fonte: Livraria Cultura

Escrito por marcia
Tags: , ,

maio 27

Autor: Baptista, Mauro
Editora: Papirus
Páginas: 144
1a Edição: 2010
Assunto: Cinema
Coleção: Campo Magnético

Sinopse:
Este livro analisa a obra do cineasta Quentin Tarantino. Ao estudar os sete longas-metragens escritos e dirigidos por ele entre 1992 e 2009 – “Cães de Aluguel”, “Pulp Fiction”, Jackie Brown”, “Kill Bill 1 e 2”. “À Prova de Morte” e “Bastardos Inglórios” -, Mauro Baptista mostra por que Tarantino pode ser considerado um diretor reconhecido na arte cinematográfica. O livro estuda vários tipos de cinema que são fundamentais para entender o trabalho desse diretor – o cinema clássico americano dos anos 1940 e 1950, com destaque para Howard Hawks; o cinema moderno do Jean-Luc Godard; o western e particularmente os westerns de Sergio Leone; o cinema pós-moderno; os filmes exploitation americanos da década de 1970 e os filmes de artes marciais. Trata-se de um trabalho para os que desejam saber mais sobre cinema e entender a obra desse cineasta.

Fonte: Livraria Cultura

 

Escrito por marcia
Tags: , ,

maio 21

Autor: Aumont, Jacques
Autor: Marie, Michel
Editora: Papirus
Páginas: 336
1a Edição: 2003
Assunto: Cinema

Sinopse:
Nos últimos 30 anos, o cinema tornou-se tema de pesquisas e estudos. Um vocabulário particular foi se impondo progressivamente, constituído ao mesmo tempo por termos não-específicos utilizados em sentido inédito e por conceitos novos adequados à análise da linguagem cinematográfica. Esse dicionário reúne cerca de 400 verbetes sobre as noções fundamentais da estética, da semiologia ou ainda da história da arte, a fim de permitir uma abordagem teórica e crítica do cinema. Também fornece alguns dados essenciais sobre grandes teóricos e críticos e sobre cineastas como Eisenstein, Hitchcock, ou ainda Pasolini e Godard, aqueles que, além de sua obra, contribuíram amplamente para o desenvolvimento e o enriquecimento da reflexão sobre a sétima arte. Cada entrada oferece uma definição clara e precisa, ilustrada com exemplos e seguida de termos correlatos e de indicações bibliográficas. Um índice temático e outro onomástico completam o perfil dessa obra de referência como útil instrumento de consulta.

Fonte: Livraria Cultura

 

Escrito por marcia
Tags: , , ,

jan 29

Autor: Vanoye, Francis
Editora: Papirus
Páginas: 152
1a edição: 1994
Assunto: Cinema

Sinopse:
Este livro oferece elementos de reflexão geral (história das formas cinematográficas, instrumento da narratologia, problemas de interpretação) e algumas análises na prática, de um único plano ao filme todo, de sequências a propagandas. Analisar um filme é prática comum a qualquer espectador.

Fonte: Livraria Cultura

 

Escrito por marcia
Tags: , ,

maio 22

Autor: Aumont, Jacques
Editora: Papirus
Páginas: 192
1a Edição: 2004
Assunto: Cinema

Sinopse:
‘Um cineasta só merece esse nome a partir do momento em que sabe o que está fazendo’, esta frase de Claude Chabrol traduz perfeitamente a intenção do autor ao escrever o livro. Com o intuito de fornecer um bom suporte técnico aos cineastas, teatrólogos e estudantes de cinema, Aumont expõe, de maneira bastante didática, as reflexões de grandes cineastas (como Hitchcock e Glauber Rocha) a respeito de seu ofício, caminhando no sentido inverso das teorias do cinema atuais – vai da prática para a teoria. Dessa forma, espera-se que o cinema seja visto como a representação da mistura de diversas técnicas, adquiridas ao longo dos anos pelos grandes mestres do cinema, e não apenas como uma arte de entretenimento.

Fonte: Livraria Cultura

 

Escrito por marcia
Tags: , ,